Atalhos

    História e Filitosa da Córsega

    A Córsega possui uma história longa, agitada e conturbada. Raramente governou a si mesmo, muitas vezes foi disputado. As muitas potências que conquistaram a Córsega governaram-na sem particular consideração pelo seu povo ou pela sua prosperidade. Tem sido frequentemente negligenciado, considerado um remanso mediterrânico e tratado com indiferença. A sua história variada e multifacetada deixou-lhe, no entanto, uma riqueza de tesouros, incluindo sítios arqueológicos megalíticos, fortalezas inexpugnáveis, cidades pitorescas, delícias gastronómicas e uma rica identidade cultural. Seus habitantes têm orgulho de onde vieram, estão à vontade com quem são e protegem ferozmente sua ilha natal única.

    História da Córsega e Filitosa - Itinerário La Revellata na Córsega

    História da Córsega

    A bela ilha mediterrânea da Córsega tem uma longa história que a torna um destino atraente com muito para o viajante ver e fazer. Dos antigos gregos ao nascimento de Napoleão Bonaparte e aos acontecimentos da Segunda Guerra Mundial, o passado da ilha é intrigante e comovente.

    Primeiros colonos

    Tal como muitas ilhas do Mediterrâneo, a era pré-histórica da Córsega remonta a milénios e está envolta em mistério. Pensa-se que os primeiros habitantes da região fizeram da ilha o seu lar durante o período Mesolítico, com viajantes da Sardenha a atravessar o Estreito de Bonifácio por volta de 9000 AC. Esses primeiros assentamentos permaneceram intactos até a chegada dos antigos gregos a Aleria, na costa leste da ilha, em 566 AC.

    Tal domínio sobre a ilha foi apenas temporário. O crescimento constante do poderoso Império Romano absorveu a Córsega no seu reino após a Primeira Guerra Púnica em 260 AC. A partir de então, a ilha fez parte do Império até à Idade Média, quando o eventual colapso do domínio romano levou a sucessivas invasões dos vândalos e dos ostrogodos.

    Através da Idade Média

    Após o breve governo dos bizantinos, a Córsega passou a fazer parte do Reino dos Lombardos, antes de o controle ser entregue ao Papa Estêvão II. Ao longo dos séculos seguintes, e com a influência da república de Pisa, a Córsega floresceu, com muitos marcos – em particular as igrejas – que permanecem até hoje.

    O conflito logo retornou à ilha, porém, com os genoveses e os aragoneses entrando em confronto pelo território após o fim do domínio pisano. A eventual cessão do poder pelos genoveses ao Banco de São Jorge desencadeou um período de paz que durou até a Revolução de Independência da Córsega em 1729.

    Revolução e ascensão de Napoleão

    Com duração de 26 anos, a batalha pela independência de Génova foi finalmente bem sucedida em 1755 e a República da Córsega ficou sob a liderança de Pasquale Paoli. Mais tarde, em 1769, a Córsega deu as boas-vindas ao seu filho mais famoso do mundo: Napoleão Bonaparte, nascido na capital, Ajaccio. Foi nos anos que se seguiram à ascensão de Napoleão ao poder que a relação da Córsega com a França se solidificou.

    A Córsega tornou-se uma colónia francesa em 1768. Teve uma das primeiras democracias em funcionamento da Europa, mas a França aboliu-a brutalmente, fechou a universidade e proibiu a língua indígena.

    Era moderna

    Nos dois séculos seguintes, a ilha foi transformada em uma região da França. Mas o ressentimento continuou latente. A crença comum de que o governo francês ignorou a Córsega porque era uma colónia “insignificante” levou aos primeiros movimentos separatistas na década de 1970, quando eclodiu uma revolta armada contra o suposto “governante colonial” da Córsega.

    Os combatentes deixaram a sua marca e desgastaram o Estado francês. Foi declarada uma trégua com o governo central em Maio de 1988. Além de formular reformas destinadas a conceder à Córsega maior autonomia política e económica, o governo francês libertou aproximadamente 50 suspeitos de terrorismo da FLNC nas prisões francesas e mais tarde alargou a amnistia do Dia da Bastilha para incluir todos terroristas corsos condenados. A FLNC utilizou a trégua para reconstruir o seu aparelho militar clandestino.

    No início da década de 1990, dois movimentos nacionalistas importantes formaram-se após a separação da Front national de libération de la Corse (FLNC) devido (em parte) a dificuldades na partilha dos rendimentos da extorsão entre os seus membros. Cada nova formação tinha a sua própria face militar e legítima: o ex-FLNC-Canal Historique com a sua A Cuncolta Naziunalista e o ex-FLNC-Canal Habituel e o seu Mouvement pour l'autodétermination (MPA). O ex-FLNC-Canal Historique também tinha uma série de organizações satélites legítimas em torno dele: como o Sindicato dos Camponeses da Córsega, a Federação dos Trabalhadores Independentes, o Sindicato dos Trabalhadores da Córsega, etc. fornecer-lhes apoio logístico e como forma de branquear lucros criminosos ou fundos angariados.

    A ilha ainda é conhecida por ser atormentada por crimes violentos cometidos por gangsters organizados que estiveram envolvidos em actividades ilegais que tiveram um enorme impacto na indústria de construção, desenvolvimento e esforços de infra-estruturas das ilhas. Apesar disso, a Córsega tornou-se um centro turístico, com mais de 4 milhões de viajantes que visitam todos os verões.

    História da Córsega e Filitosa - local de viagens na Córsega Gaffory Corte 1

    Linha do tempo da Córsega

    6.000 a.C.– o sítio arqueológico megalítico de Filitosa atesta a presença de povoações na Córsega há pelo menos 8.000 anos.

    c. 1.900 a.C.– a civilização torreana estabelece assentamentos ao sul de Ajaccio. Nomeados devido à sua propensão para construir torres, eles eventualmente desapareceram por volta de 600 AC.

    566 a.C.– A história registrada da Córsega começa, quando colonos gregos de Phocaea, na Ásia Menor, fundaram a cidade de Alalia, na costa leste. Os cartagineses e os etruscos mantêm o controle da maior parte da ilha.

    260 a.C.– com o fim da Primeira Guerra Púnica, a Córsega torna-se uma província romana, juntamente com a vizinha Sardenha. Os romanos exploram a ilha pelo seu ferro e madeira, plantam vinhas e ampliam as salinas. A cidade grega de Alalia torna-se uma importante colônia romana sob o nome de Aléria.

    430 DC– com o Império Romano em declínio terminal, os vândalos atacam e dominam a ilha.

    522 DC– A Córsega passa a fazer parte do Império Bizantino por um breve período, mas é repetidamente atacada pelos vândalos, pelos ostrogodos e pelos lombardos. O caos reina.

    c. 725 DC– os lombardos finalmente assumem o controlo da Córsega, mas não por muito tempo.

    774 DC– Carlos Magno conquista a Córsega e a incorpora ao Sacro Império Romano. Permanece sob controle franco, com breves interlúdios de domínio lombardo até o final do século XI.

    1077– depois de anos de anarquia, lutas internas entre a família nobre da ilha e guerras entre genoveses e pisanos, a Córsega é transferida para os Estados Papais.

    1090– o Papa concede a administração da Córsega a Pisa e assim iniciam quase dois séculos de influência toscana, cujos efeitos ainda hoje sobrevivem na língua, na comida e no modo de vida. A Córsega está dividida entre a Banda di Fuori (ou Pomonte), voltada para o oeste, a chamada Banda di Dentro (ou Cismonte). Embora o lado leste da ilha prospere, o oeste permanece isolado e relativamente atrasado.

    1282– embora a Córsega tenha estado sob controlo de Pisa, os genoveses continuaram a atacar a ilha regularmente. Finalmente, em 1282, os genoveses desferiram um golpe fatal nos pisanos na Batalha de Meloria e assumiram o controle da ilha. Eles mantêm o governo até 1450, embora a legitimidade do seu poder seja contestada por sucessivos reis de Aragão.

    1450– num movimento até então inédito, Génova cede a Córsega ao seu principal credor, o Banco de St.

    1553– A Córsega é invadida por uma frota combinada francesa e otomana, mas o grande almirante genovês Andrea Doria reconquista a ilha. Pelos termos da Paz de Cateau-Cambresis em 1559, a Córsega é devolvida a Gênova. É na sequência deste acontecimento que os genoveses constroem um grande número de torres ao longo da costa para defender a ilha contra piratas saqueadores.

    1729– a revolta dos corsos contra os seus senhores genoveses, uma luta que durará cerca de 40 anos antes de ser totalmente resolvida.

    1755– é proclamada a República da Córsega, liderada por Pasquale Paoli. No entanto, alguns bolsões da ilha, incluindo as cidades-fortalezas de Calvi e Bonifacio, permanecem sob controle genovês.

    1769– A Córsega é conquistada pela França, que comprou a ilha aos genoveses em 1767. Esta compra, um acto ilegítimo aos olhos da República da Córsega, é validada no Tratado de Versalhes de 1768.

    1769– Napoleão Bonaparte nasce em Ajaccio.

    1789– A Córsega é oficialmente incorporada à França

    1794– Pasquale Paoli, antigo líder da República da Córsega, regressa do exílio na Grã-Bretanha e o Reino Anglo-Córsico é estabelecido. Depois de dois anos, porém, a retirada britânica e o domínio francês são retomados.

    1797– Napoleão Bonaparte torna-se Primeiro Cônsul da República Francesa (tecnicamente o líder da França). No entanto, ele parece não ter muita nostalgia ou amor pela ilha onde nasceu, e durante o seu reinado, a Córsega foi largamente negligenciada.

    1814– Com o fim das Guerras Napoleónicas, a Córsega é ocupada pelas tropas britânicas, mas é devolvida a França assim que a monarquia for restaurada.

    1920– é fundado um movimento separatista que apela à autonomia da Córsega. Para confundir as coisas, outro movimento apela à anexação pela Itália, um sentimento que se tornou mais popular depois de Mussolini tomar o poder em Itália.

    1940– A Córsega é incorporada em Vichy França

    1942– A Córsega é ocupada por forças italianas e alemãs

    1943– As forças francesas livres libertam a Córsega em Outubro e os EUA estabelecem ali numerosas bases militares da força aérea.

    1958– Operação Corse: pára-quedistas franceses do corpo argelino desembarcam na Córsega como parte de um golpe militar que pede a restauração de Charles de Gaulle como Presidente da França. Não há combates, mas o governo francês demite-se em massa e De Gaulle torna-se devidamente presidente de uma nova república.

    1962– A Argélia conquista a independência da França e centenas de milhares de “pieds-noirs” (pessoas de ascendência francesa e europeia cujas famílias vivem na Argélia há gerações) mudam-se “de volta” para França. Cerca de 18 mil pessoas estão instaladas na Córsega, um ato que alimenta o ressentimento lento de muitos ilhéus em relação ao governo francês.

    1070 em diante – Os desprezos percebidos contra o povo da Córsega levam à formação de um movimento nacionalista cada vez mais popular e de uma organização criminosa chamada FLNC, cuja ala militar entra em conflito repetidamente com a polícia e as forças armadas francesas. Isso marca o início da era de violência que continua até hoje.

    Filitosa, o tesouro neolítico da Córsega

    História da Córsega e Filitosa - Córsega Filitosa 1

    Pense nomoai, aquelas famosas estátuas da Ilha de Páscoa, e você terá uma ideia do que pode esperar se visitar o fascinante sítio megalítico de Filitosa, no sudeste da Córsega. Desenterrado apenas em 1948, o local continua a apresentar aos arqueólogos e historiadores muitas questões sem resposta sobre a pré-história da Córsega.

    O que se sabe é que Filitosa foi habitada de forma mais ou menos contínua desde o IX milénio a.C. até ao século III a.C., quando a Córsega ficou sob controlo romano. Esta longa história de povoamento é testemunhada por uma grande variedade de achados arqueológicos pertencentes a um número estonteante de períodos diferentes: simples instrumentos de madeira da Idade Mesolítica, ferramentas de sílex, cerâmicas, megálitos e mós do período Neolítico, e machados, pedras. construiu torres e esculpiu estátuas de menires da Idade do Bronze (para citar apenas alguns).

    Os achados mais significativos e misteriosos são 16 estátuas-menires esculpidas em granito, três torres pré-históricas e uma área de casas de pedra.

    As estátuas-menires tiveram vida dupla. Os megálitos simples originais datam de cerca de 4.000 aC. Seu significado é incompreensível, mas por volta de 1.200 a.C. muitos deles passaram por uma reforma. Traços humanos (rostos, ombros, braços, etc.) e armamentos (espadas, punhais e capacetes) foram esculpidos em suas fachadas de granito, transformando-os em heróis guerreiros ou possivelmente deuses. Encontrar esses números enquanto você passeia pelo local é uma experiência memorável.

    As torres e casas de pedra, por sua vez, também datam de cerca de 1.200 aC e incorporaram fragmentos de menires destruídos. Os arqueólogos ainda estão tentando determinar a finalidade exata das torres, mas a maioria acredita que eram simples torres de vigia, fortalezas para armazenar objetos de valor ou colheitas, ou espaços de reunião para ritos religiosos.

    Um museu, inaugurado em 2016, abriga uma variedade de achados arqueológicos e informações sobre o local, enquanto uma brasserie-bar no local oferece bebidas para aqueles que têm apetite ou sede megalítica.

    Uma visita a Filitosa é vivamente recomendada, não só pelo seu significado histórico único – as crianças vão adorar as estátuas-menires e os adultos vão maravilhar-se com a idade das coisas, mas também pela beleza natural do seu cenário entre as ondulantes colinas verdejantes do sudeste. Córsega.

    O conteúdo é legalmente protegido.

    Tem uma dica? E-mail [email protected]

    ProcurarArquivo
    X
    ar العربيةzh-CN 简体中文nl Nederlandsen Englishfr Françaisde Deutschit Italianopt Portuguêsru Русскийes Español